Pode não parecer, mas o investimento em qualidade no espaço corporativo envolve custos ínfimos se comparados à falta deste recurso. Equipes insatisfeitas são improdutivas, mais propensas a erros, atuam no limite do estresse e costumam se envolver em diversos conflitos.

O investimento no bem-estar das equipes, por outro lado, produz diversos efeitos positivos, como o maior comprometimento dos profissionais. Segundo a Sodexo, empresas que se preocupam com essa questão são (em média) 86% mais produtivas.

Quer entender mais sobre o assunto, sua importância e como otimizar a qualidade de vida no trabalho? Continue a leitura do guia que criamos para você!

O significado de qualidade de vida no trabalho

Em primeiro lugar, é preciso conceituar o que é ter qualidade de vida. Muitas empresas já criaram espaços de lazer para seus funcionários — com mesas de sinuca, videogames e muito mais —, porém, definitivamente, isso não é o mais importante.

É possível melhorar a qualidade de vida com poucos investimentos, mudando especialmente alguns hábitos dentro da empresa. Oferecer qualidade de vida significa respeitar os profissionais nos aspectos físico e mental, garantindo que tenham boas condições para desempenharem suas tarefas diárias.

Algumas mudanças, como a melhoria da iluminação do ambiente de trabalho e otimização da comunicação interpessoal, já fazem toda a diferença. Para isso, é preciso algum investimento financeiro e, principalmente, comprometimento da liderança.

A importância da qualidade de vida para a empresa

A questão principal é: em que isso beneficia a empresa? Antes de oferecer a resposta, é preciso entender o atual contexto mercadológico. Tendo isso em vista, as companhias nunca estiveram inseridas em um mercado tão disputado, com clientes e concorrentes ávidos. Segundo o IBGE, cerca de 6 em cada 10 empresas fecham antes de completar 5 anos de atividade. Esse é apenas um dos diversos dados sobre o assunto.

Para sobressaírem, portanto, as empresas precisam encontrar um diferencial que possa destacá-las no mercado. Como as ideias são abundantes, as tecnologias e estratégias podem ser facilmente copiadas, o real diferencial está nas pessoas — isto é, nos colaboradores.

É possível afirmar que uma empresa que investe na qualidade de vida no trabalho e que beneficie toda a sua equipe é muito mais competitiva. Buscando isso, ela consegue contar com profissionais motivados, comprometidos e capazes de entregar ótimos resultados.

O investimento também faz com que o absenteísmo caia vigorosamente, tornando os profissionais mais aplicados ao cumprimento dos horários e da jornada de trabalho. O mesmo acontece com o turnover, reduzindo a evasão dos talentos.

Na medida em que uma empresa investe na qualidade de vida, pode observar melhorias na atração de talentos, reputação da empresa, produtividade e até lucratividade. De acordo com a Sodexo, o bem-estar torna as empresas (em média) 70% mais rentáveis.

Por tudo isso, o assunto deve estar presente nas reuniões estratégicas e deve ser de responsabilidade não apenas do RH, mas dos demais líderes e sócios do negócio. Dessa maneira, resultados significativos podem ser conquistados.

Fonte: Kenoby.